sábado, 24 de março de 2012

A tristeza saiu à rua

Há pouco saí à rua para ir fazer umas compras. Como acontece quando tenho um pouco mais de tempo analisei melhor as pessoas que passam por mim. E não posso dizer muitas coisas positivas...
Não estou em modo crítico, apenas constato que as pessoas não são felizes.
Vi pessoas com semblantes tristes,vi pessoas agressivas, vi pessoas que discutiam com o cônjuge e/ou filho,vi pessoas que fumavam com um olhar vazio... Não sei se neste curto caminho que fiz, mas com muita gente porque eu moro numa rua mega movimentada, se vi alguém a sorrir. Acho que não.
Sim, o meu blog é sobre ambiente,mas o ambiente somos todos nós e se nós não estivermos bem não podemos tornar bom o mundo à nossa volta.
A questão que me assola é porque estamos todos tão adormecidos nos nossos problemas? Porque não olhamos para o que temos ao invés do que não temos? Porque não abraçamos o amor na nossa vida?
É estranho verificar que o ser humano é muito complicado, de tal forma que complica o que é simples, que é viver.
Talvez a quantidade avassaladora de mensagens(publicitárias e não só) que recebemos no nosso dia-a-dia que nos dizem o quão maus, feios, gordos, lentos, burros ,etc. nós somos, nos distraiam e nos façam concentrar em não o ser e comprar tudo aquilo que estiver ao nosso alcance para não sermos tão maus, feios, gordos, lentos,burros, etc. quanto pensamos ser.
A sensação que tenho é que se não mudarmos de rumo rapidamente caminhamos para um suicídio colectivo, porque o ser humano tem cada vez mais comportamentos auto-destrutivos.

Não tenho uma receita para esta situação mas partilho esta imagem que pode ajudar:




Imagem retirada daqui

3 comentários:

I make tea not war disse...

Concordo plenamente Ana :)) Abracemos o sorriso e o amor da vida! **

Anónimo disse...

A alegria e a tristeza são duas prisões; uma de ouro e outra de ferro, mas feitas igualmente para nos prender e impedir de seguir a nossa verdadeira natureza
Swami Vivekananda

O prazer não passa de um acto de consumação. A alegria é o prazer do acto criador
Konrad Lorenz

Tem alegria aquele que planta e cria
Provérbio
(ZT)

Nuno disse...

É como dizes, ninguém está verdadeiramente feliz e abriga-se na ilusão de pequenas felicidades retiradas essencialmente do materialismo. E o materialismo parece não ser mais do que um apelo do indivíduo para o amor e respeito dos outros. Ou seja, na verdade, não é o bem material que fornece a felicidade mas sim a influência que pode ou não ter naqueles que os rodeiam.
É uma ilusão forte, porém perigosa como se tem visto. E a maior parte das pessoas não se apercebe deste paradoxo. Não se apercebe que a fonte da sua felicidade são as outras pessoas e a tranquilidade com elas próprias e não algo inumano, insensível e inerte.
Relativamente às mensagens, acho pertinente salientar que no nosso dia-a-dia somos bombardeados com ofertas de luxos a fazerem-se passar por necessidades e por sua vez, a mensagem de que com elas se consegue aprovação e estima social. Por outro lado, as contínuas informações sobre guerras e conflitos, sem se esclarecer de forma precisa e concreta todo o contexto e razão de acontecerem, vão tornando as pessoas cada vez mais fechadas, com cada vez mais medo e por isso, cada vez menos capazes de se unirem e de prosperarem.
A solução é só uma: união entre as pessoas. E isto resolve todos os problemas do mundo. Mas, para isto acontecer, cada pessoa por si deve tomar a responsabilidade de se auto-analisar e de encontrar por fim o único caminho possível. Cada pessoa é responsável por tudo o que acontece no mundo.